terça-feira, 30 de março de 2010

Alagoinhas Atlético Clube


Nome: Alagoinhas Atlético Clube
Alcunhas: Carcará, Alagoinhas
Mascote: Carcará
Fundação: 2 de abril de 1970
Estádio: Carneirão
Capacidade: 12.000
Presidente: Albino Leite


O Alagoinhas Atlético Clube ou Atlético de Alagoinhas é um clube de futebol baiano com sede em Alagoinhas, no estado da Bahia, Região Nordeste do Brasil.

Fundação

Após análises dos sucessivos sucessos dos campeonatos de futebol amador da cidade de Alagoinhas, em que destacavam-se o Grêmio, Ferroviário, Agulha, Juventus, Botafogo e Gato Preto, e das participações da Seleção Alagoinhense nos campeonatos intermunicipais de seleções, com a inauguração do Estádio Municipal Antônio de Figueiredo Carneiro (Estádio Antônio Carneiro - o Carneirão), os desportistas de Alagoinhas, resolveram fundar e inscrever um clube para disputa do Campeonato Baiano de Futebol. Como o clubismo era muito grande, foi consenso a fundação de um outro clube que não os já existentes, daí o Alagoinhas Atlético Clube, fundado em 2 de abril de 1970.

O Alagoinhas Atlético Clube nasceu abençoado por Deus. Praticamente, fora criado dentro de uma Igreja. Seu primeiro sinal de vida foi dado durante uma reunião, nos últimos dias de março/1970, na Igreja de Santo Antonio. O dentista Walter Robatto Campos, o radialista Antonio Pondé, o funcionário municipal Valdo de Souza, o motorista Osmário Almeida e o Frei Virginio de Boavaita. Daí o projeto ganhou novas e importantes adesões, tornando-se realidade.

Escudo e Bandeira

Sócio fundador, conselheiro e torcedor apaixonado, Saturnino Peixoto Pinto, concentrou seu poder de imaginação para criar o escudo do Atlético, clube de seu coração e, explicando seu significado:“O escudo é de forma circular e sua periferia é contornada por uma roda dentada em esmalte sable (preto), significando pela forma, o trabalho e, pela cor, a prudência e o poder. Segue-se a faixa concêntrica em metal prata (brancol), significando pureza e paz, Nessa faixa está colocada a legenda Alagoinhas Atlético Clube, sendo separada por três estrelas que representam os elementos da natureza: Terra, Água e Ar. O círculo central, em esmalte galês (vermelho), significa soberania e luta e nele está localizada as letras “A A C”, de traçado concêntrico e em metal prata (branco)".


Símbolo e Mascote

Para a festa que a cidade de Alagoinhas preparou para inauguração do Estádio do Carneirão em 24 de janeiro de 1971, com o jogo Bahia 3 x 1 Corinthians Paulista (que tinha como principal atração o tri-campeão mundial de futebol, Roberto Rivelino), foi reservado a emoção de naquele dia, ver nascer o símbolo do Atlético “o Carcará”.


O “pai da ideia” foi o desportista, conselheiro, sócio fundador e torcedor apaixonado, Heraldo Aragão. Com outros desportistas; Edvalson Lima e Walter Campos, sentiram a necessidade de criarem um fato que lembrasse o Atlético, nesse evento, que seria a invenção do símbolo do clube. O Radialista Antonio Pondé, visualizou (um boneco, com a cabeça em forma de laranja, para ser o mascote, o que não vingou. Na época, havia um feirante que vendia folhas medicinais que possuía um pássaro, o carcará, que fora lembrado por Heraldo e, procurando-o, combinou para no dia dessa festa, levasse seu pássaro para o estádio e desse uma exibição diante da torcida. Foi uma sensação, mas diante de tanta gente, o animal ficou assustado e, bateu asas sumindo, levando o dono ao desespero, pela perda, vindo a cobrar do “pai da idéia”, a quantia de 50 mil cruzeiros, de indenização. Mas felizmente o pássaro voltou, para alegria não só do dono, como também, de Heraldo Aragão que seria obrigado a desembolsar tal quantia.
A partir daí, o Carcará, já consagrado, passou a ser o símbolo do Atlético.
Nota – O Carcará:Ave de Rapina – Espécie de águia que vive no Nordeste do Brasil. Ave de bico forte e adunco, com fortes garras.

Torcidas Organizadas

Nação Carcará - Fundada em 1º de janeiro de 2008, Formada por um grupo de jovens com o objetivo de ajudar o Atlético dentro e fora de campo.
Jovem Coral - Fundada pelos torcedores Gilberto Araújo e Almiro Abade.
Coamor - Fundada pelo torcedor José Carlos Santana
Fiel Carcará – Fundada pelo torcedor Vivaldo Queiroz Bastos
Força Jovem - Fundada pelo torcedor Carlos José Calmon Bacelar

Estreia e Trajetória

Ingresso no Campeonato Baiano

Com a documentação em dia, diretoria já constituída, com o time formado e o Estádio Antonio Carneiro (o Carneirão), pronto, só faltava disputar o campeonato baiano de profissionais.
A diretoria do Atlético fora à Federação Baiana de Futebol para convencer ao então interventor, Dr. Cícero Bahia Dantas, à inclusão no campeonato. Mesmo não garantindo, prometeu lutar, alegando as qualidades do Estádio do Carneirão, que era um dos melhores do estado. Não deu tempo em atender a reivindicação por Ter sido substituído pelo Dr. Jorge Radel que deu a triste notícia: “o Atlético não deverá participar do campeonato de 71, os novos estatutos não permitem”.


Com o prestígio do então Prefeito de Alagoinhas, Dr. Murilo Cavalcante, que levou a Diretoria ao Governador do Estado, Dr. Luiz Viana Filho, para exporem a situação, veio o sinal verde, após interferir junto a FBF.

A Estreia

A primeira partida amistosa, disputada pelo Atlético, foi em 30 de janeiro de 1971, num jogo amistoso, no Estádio do Carneirão, contra o Fluminense de Feira de Santana, em que fora vencido pelo placar de 1 x 0.


A primeira partida oficial, válida pelo Campeonato Baiano/71, foi no dia 11 de abril de 1971, também no Carneirão, contra o Leônico, em que o Atlético venceu pelo escore de 2 x 1. O primeiro gol surgiu aos 37 minutos da fase inicial, quando Dida recebeu um lançamento de Olívio, driblou dois zagueiros e da entrada da grande área, chutou no ângulo esquerdo do goleiro “adversário”, sem chance de defesa. Alegria total nas arquibancadas, era gol do Atlético. No segundo tempo, o Leônico voltou ameaçador empatando aos 18 minutos, emudecendo por completo a plateia que lotava o estádio. Mas, houve uma reação, jogando melhor e, aos 43 minutos, Dida aproveitando a cobrança de um escanteio, pela direita, fez um bonito gol, levando a torcida ao delírio e, um carnaval tomou conta da cidade. Era o Atlético ingressando do pé direito no cenário esportivo profissional.

A escalação do time A escalação do time naquele dia foi:

Bruno
Zezinho
Gaguiho
Ênio
Chico
Olívio
Biriguda (Dilson)
Dida
Mário
Luciano
Técnico: Antônio Conceição

Títulos

Estaduais

Vice-Campeonato Baiano: 1973.
Vice-Campeonato Baiano da Segunda Divisão: 1993 e 1998.

Categorias de Base

Campeonato Baiano Sub-20 (Juniores): 1982.
Copa Gazetinha Infanto-Juvenil: 1999.
IV Copa Interestadual Nordestina Sub-20: 2001.

Ranking da CBF

Posição: 148º
Pontuação: 32 pontos