segunda-feira, 29 de março de 2010

Volta Redonda Futebol Clube


Nome: Volta Redonda Futebol Clube
Alcunhas: Voltaço, Tricolor-de-Aço, Esquadrão-de-Aço
Mascote: Jaguatirica
Fundação: 9 de fevereiro de 1976
Estádio: Raulino de Oliveira
Capacidade: 20.000 pessoas
Presidente: Rogério Loureiro
Treinador: Tita

Volta Redonda Futebol Clube é uma agremiação esportiva, sediada na cidade de Volta Redonda no Sul do estado do Rio de Janeiro, fundada a 9 de fevereiro de 1976.

História

Seus maiores feitos foram o vice-campeonato do Estado do Rio de Janeiro em 2005, qualificando-se para a final após conquistar a Taça Guanabara, perdendo o título para o Fluminense, com 70.830 torcedores (63.762 pagantes) lotando o Maracanã, além do Vice-campeonato Brasileiro da Série C, em 1995, quando perdeu o título para o XV de Novembro de Piracicaba.

Até 1975, os únicos times profissionais da cidade eram o Clube de Regatas do Flamengo, de Volta Redonda, mais conhecido como "Flamenguinho" e o Guarani Esporte Clube.
Contudo, naquele ano ocorreu a fusão dos estados do Rio de Janeiro e da Guanabara e, conseqüentemente, a "fusão" das Federações de Futebol dos dois estados com a criação da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ). O então prefeito de Volta Redonda, Nelson Gonçalves, iniciou então o projeto de criar um clube de futebol para representar a cidade no novo Campeonato Estadual do Rio de Janeiro. Após dias de discussão na sede da Federação de Futebol, além de uma corrida contra o tempo para montar a estrutura necessária para a existência de um time de futebol profissional no município, nascia, em 9 de fevereiro de 1976, o Volta Redonda Futebol Clube.

Nessa época, o Estádio General Sylvio Raulino de Oliveira (atual estádio do clube) pertencia à Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e era administrado, em regime de comodato, pelo Guarani Futebol Clube, tradicional time amador da cidade. A prefeitura, a CSN e a Confederação Brasileira de Desportos (atual CBF), fizeram um acordo para a reforma do estádio, a fim de que abrigasse o novo time. Em 2004 um novo e moderníssimo estádio foi reinaugurado, no mesmo local do antigo Raulino de Oliveira, o qual ganhou a alcunha de "Estádio da Cidadania".

O presidente do "Flamenguinho", Guanayr de Souza Horst, defendia que deveria ser este o time a representar Volta Redonda, tendo sido Clube de Regatas Volta Redonda o primeiro nome a ser escolhido. Contudo, ficou definido que haveria um novo time e que ele se chamaria Volta Redonda Futebol Clube e que ele teria as mesmas cores da cidade: preto, amarelo e branco. Foi escolhido como primeiro presidente do V.R.F.C., Ysnaldo dos Santos Gonçalves, irmão do então prefeito da cidade.

O Volta Redonda participou de três campeonatos brasileiros da 1ª Divisão, em 1976, 1977 e 1978, quando conseguiu a sua melhor colocação, a 32ª, entre 74 particpantes. No Campeonato Brasileiro Série B, o Volta Redonda aplicou a segunda maior goleada da história desta competição: 8 a 0 sobre o Operário (MT) em 24 de Janeiro de 1982, marca só superada em 18 de novembro de 2006, quando o Paulista Futebol Clube de Jundiaí (SP) goleou o Paysandu por 9 a 0.

Títulos

Estaduais

Taça Guanabara: 2005.
Campeonato Carioca - 2ª divisão: 3 vezes 1987, 1990 e 2004
Copa Rio: 4 vezes 1994, 1995, 1999, 2007

Torneios Internacionais

Copa Finta Internacional: 2005

Outras Conquistas

Torneio Incentivo: 1979.
Torneio José Lemos: 1979.
Campeonato do Interior: 7 vezes 1977, 1981, 1982, 1994, 1995, 2005 e 2007


Ranking da CBF

Posição: 74º
Pontuação: 164 pontos

Volta Redonda no vice-campeonato do Campeonato Brasileiro Série C 1995

Em 1995, o Volta Redonda foi vice-campeão do Campeonato Brasileiro Série C, vindo a perder o título para o XV de Piracicaba (SP). No primeiro jogo, no dia 3 de dezembro de 1995, o Voltaço perdeu por 2 a 0, em Piracicaba, vitória que deu boa vantagem para o XV. No jogo de volta, em 12 de dezembro de 1995, nova derrota, agora por 1 a 0, no Estádio Raulino de Oliveira, definiu o título para a equipe paulista, mas não tirou o brilho da campanha do Voltaço, vice-campeã nacional.